Quarta-feira, 6 de Setembro de 2006

"Hoje somos todos do Hezbollah"?

É este o título, provocador, de um artigo de opinião de Rui Ramos no Público de hoje, de que citarei partes:

"Foi há cinco anos, lembram-se? Fomos então todos americanos, ou pelo menos era assim que se dizia. No princípio do mês passado, em Londres, o slogan da manifestação anti-israelita era outro: We are all Hezbollah now . Estava lá, vi-os desfilar. Não eram os personagens barbudos ou velados que associamos à militância islâmica. Eram o resto persistente do radicalismo estudantil de 1968 (...) Eram os jovens profissionais da guerra à globalização (...)
...nos países ocidentais mais comprometidos na "guerra ao terror", esta transformou-se no principal pretexto de polémica e debate. No Reino Unido (...) é a política para o Médio Oriente que tem servido aos adversários de Blair , à esquerda e à direita, para o isolar e demolir. Até os conservadores passaram a criticar os EUA e Israel, logo que perceberam que era aí que estava o ponto fraco do Governo trabalhista.
Os conservadores britânicos, apesar de tudo, provaram que é possível criticar a Administração americana sem chegar ao "hoje somos todos do Hezbollah ". Por que é que a esquerda contestatária e revolucionária britânica passou essa linha? (...)
Na Grã-Bretanha, uma parte da extrema-esquerda parece tentada a servir-se dos militantes islâmicos como um sucedâneo para as massas revolucionárias que a sociedade ocidental deixou de produzir. Em Londres, nas últimas eleições legislativas, a coligação Respect , de George Galloway , explorou isso: graças ao lastro da votação islamista , os velhos marxistas elegeram um deputado pela primeira vez. Ajudou-os muito, de resto, o facto de a candidata oficial do Partido Trabalhista ser de origem judaica. (...) Aqueles que exigem liberdade de expressão, direito ao aborto e diversidade sexual condenam as sociedades onde há essa liberdade e direitos, e dão a mão a movimentos que condenam tudo isso como pecado e sacrilégio.
Alguns, como Baxter , detectam aqui uma contradição bizarra. (...)
A esse respeito, a história de David Myatt (...) é ilustrativa. Myatt era o líder de uma das mais violentas organizações neonazis britânicas (...) Hoje, Myatt dá pelo nome de Abdul Aziz Ibn Myatt . O neonazi explica a sua conversão, argumentando que o Islão, tal como ele o entende, é hoje a única força capaz de atingir os alvos que, enquanto nazi, já eram os dele: o capitalismo, a democracia e a "corrupção" dos costumes. Myatt convenceu-se que a "nação" e a "raça", na medida em que já não incutem nos indivíduos uma razão para matar e morrer, nem despertam simpatia na sociedade, deixaram de servir para criar uma "situação revolucionária" no Ocidente. (...) Não há aqui qualquer contradição, nem é necessário imaginar filiações espúrias entre os credos. O objectivo, para Myatt , é o mesmo, só os meios mudaram.
Quando veremos gente, à esquerda , a fazer o mesmo (...)? Em França, o velho estalinista Roger Garaudy já abriu o caminho, com a sua conversão ao Islão e um livro a negar o Holocausto. Foi um best-seller quando traduzido em árabe. Para alguns dos cidadãos do Ocidente, dado o ódio que lhes inspira a sociedade em que vivem, faz todo o sentido "ser do Hezbollah "."

Em suma, Maquiavel continua vivo e de boa saúde. Fazendo jus ao adágio de que o inimigo do meu inimigo meu amigo é, haverá sempre gente para quem o fim justifica os meios, quaisquer meios.
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 14:09
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!


Neste blog é permitido fumar





Be an Ocean Defender

Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

As odisseias de Abraracourcix



create your own visited countries map

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Abraracourcix e a sua ald...

O fim do petróleo - cenár...

Não às detenções secretas

Razões antropológicas par...

Altermundo reaberto

Vive la France

Bem vindos ao Turquemenis...

Break my arms...

Editors

O PCP e o Tibete: a minha...

O PCP e o Tibete: respost...

Mais um pouco de luz para...

Luz ao fundo do túnel par...

Mail por mim enviado ao P...

Eleitoralismo precoce

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

habitantes: