Quarta-feira, 13 de Setembro de 2006

O PNAC a sonhar demasiado alto

Segundo notícia do Público de ontem, o Programa Nacional para as Alterações Climáticas PNAC ) vaticina, como forma de Portugal cumprir as metas do protocolo de Kyoto , uma redução de 15% nos utilizadores de transporte individual , a favor dos transportes públicos:

"A transferência de cinco por cento dos utilizadores do transporte individual para o transporte colectivo, nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa, é uma das principais medidas adicionais apresentadas na nova versão do Programa Nacional para as Alterações Climáticas PNAC ). Com mais gente a andar de transportes públicos, conta-se com a redução de 246 mil toneladas de dióxido de carbono lançado pelos escapes dos automóveis.
Nominalmente, cinco por cento é uma cifra pequena. Mas na prática é um valor astronómico. Pelos números do próprio PNAC , o número de passageiros e viagens que aquela transferência envolverá em Lisboa corresponde a 15 vezes o que será conseguido com a expansão das linhas de metropolitano até 2010. Como isto será conseguido, é algo que não é explicado no novo PNAC , publicado dia 23 de Agosto no Diário da República. O programa diz apenas que o será através da colocação em prática das autoridades metropolitanas de transportes. Nem a secretária de Estados dos Transportes, Ana Paula Vitorino, consegue especificar, em detalhe, o que está previsto. Ana Vitorino fala de uma combinação de medidas, como a expansão dos metropolitanos, melhor oferta de autocarros, mais corredores bus. Mas isto tudo já estava previsto antes.
A promessa nova agora é, concretamente, a expectativa de converter mais cinco por cento dos percursos de carros particulares em viagens de metro, autocarros, comboios e barcos. Para convencer os cidadãos, o Governo está a preparar uma campanha para promover a utilização dos transportes públicos, que começará a ser veiculada no próximo ano."

O Governo só pode estar a delirar, se pensa que é assim que cumpriremos Kyoto ... Não será com vagas intenções, das quais o Inferno, a existir, está cheio, nem com custosas campanhas publicitárias (que apenas servirão para gastar algum do "nosso" dinheiro), muito menos com a introdução de autoridades metropolitanas das quais só o nome é conhecido (competências? financiamento? articulação com autarquias? esfera concreta de actuação?, tudo interrogações sem resposta), não será com nada disto que se inverterá uma política sistemática "do betão", de incentivo aos transportes individuais e sacrifício dos colectivos.
Foram pelo menos 20 anos de construção desenfreada de auto-estradas (devemos ser o país com mais quilómetros de auto-estrada em relação à dimensão - concedo que muitas delas são importantes  outras são meras duplicações de outras já existentes) e puro  desinteresse nos transportes públicos. Será preciso muito mais do que o vago formulado no pomposo PNAC para corrigir isto, a começar pela reforma das mentalidades dos portugueses cada vez mais renitentes a deixar "o seu carrinho" em casa, independentemente do espectro de bichas gigantescas nos IC19 , A5 , VCI e IC24 deste país...
Tal como foram necessários 20 anos para chegar a este ponto, serão necessários no mínimo outros tantos de políticas sistemáticas de incentivo aos transportes públicos e penalização do uso do automóvel para o inverter... isto se não tivermos já, como receio, ultrapassado o ponto de não-retorno ...
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 11:16
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!


Neste blog é permitido fumar





Be an Ocean Defender

Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

As odisseias de Abraracourcix



create your own visited countries map

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Abraracourcix e a sua ald...

O fim do petróleo - cenár...

Não às detenções secretas

Razões antropológicas par...

Altermundo reaberto

Vive la France

Bem vindos ao Turquemenis...

Break my arms...

Editors

O PCP e o Tibete: a minha...

O PCP e o Tibete: respost...

Mais um pouco de luz para...

Luz ao fundo do túnel par...

Mail por mim enviado ao P...

Eleitoralismo precoce

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

habitantes: