Quarta-feira, 20 de Setembro de 2006

Crónica de uma morte anunciada

Longe de polémicas entre srs. Coutos paranóicos carreiristas e dois ou três autores de "blogs obscuros" com "interesses [ainda mais] obscuros" (por sinal dos mais fiéis "irredutíveis gauleses" que vão tendo a paciência de me ler e ocasionalmente comentar), no Altermundo prefiro dar relevo ao que é realmente importante neste nosso bananal. Ao escândalo. Ao choque. Ao horror. Vamos ver:
Ontem, o ministro da Saúde (??) anunciou que vai instaurar taxas moderadoras para os internamentos hospitalares e cirurgias. Mas como o ministro é uma pessoa muito boazinha, tratou logo de frisar que uma larga percentagem dos utentes já estão isentos de tais taxas - dadores de sangue, cancerosos, tuberculosos e seropositivos, respirem fundo. Todas as poucas pessoas (caberiam numa qualquer abandonada aldeia transmontana, a acreditar no ministro) que não se incluem numa ou em mais destas categorias vai ter de mudar de passatempo. Em vez de pedir para serem internados e operados - sim porque todos sabemos que um doente só é internado porque quer, o médico é apenas o maître d'hôtel que apresenta o menu de cirurgias, "a operação do dia está deliciosa hoje, senhor" - para resolver a sua hérnia, ou cancro da próstata, ou pneumonia, ou ataque cardíaco, estes desavergonhados que vão mas é para a praia, que o mar tem efeitos curativos importantíssimos nas hérnias, cancros da próstata, pneumonias e, consta (ainda não está provado), até nas hemorróidas.
O problema disto é que o próprio ministro reconhece que os € 7 que vai cobrar a cada internado (por dia?), mais provavelmente outro tanto por cirurgia, é apenas uma quase insignificante contribuição para o buraco do SNS - a intenção é apenas "moralizar" o sistema. Porque, como já disse, os médicos são apenas maîtres d'hôtel que falharam a vocação, e os doentes são todos ricaços que se pelam por uma cama de enfermaria na companhia de outros cinco endinheirados.  "Qual spa?! Caldo de bactérias multi-resistentes é o que está a dar!", dizem uns aos outros entre uma tossidela e uma falha de respiração.
O ministro, que é um guru da moda, é que vê à frente, e já percebeu que na colecção Outono/Inverno 2006/2007 o internamento hospitalar vai estar "out". O que vai estar "in", mas isto ele não o pode dizer, e este é que é o escândalo subjacente a este escândalo, são os hospitais privados, que já estão em bicos de pés a babarem-se pelos restos mortais do SNS.
Já não falta muito para o fim do SNS. Já está aí a chegar. Já chegou.
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 12:08
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!
3 comentários:
De Hopes a 20 de Setembro de 2006 às 15:42
António digo-te o que disse ao Pedro, sobre o mesmo tema: Mais uma medida muito socialista... O que nos vale é que a JS, onde não existe seguidismo partidário acrítico, vai levantar a sua voz contra esta deriva neo-liberal do governo...
A despropósito, ainda bem que não sou a única que erro na decifração das letras, diacho de coisa chata...
De Abraracourcix a 20 de Setembro de 2006 às 16:59
Já tinha lido, Hopes, e partilho do teu optimismo desenfreado ;)
A despropósito, as letras são mesmo chatas...a tal ponto que já receei que o dispositivo me barrasse a possibilidade de comentar o meu próprio blog!... :o
De Max a 21 de Setembro de 2006 às 13:26
Contem comigo nesse "optimismo" desenfreado :))

comentar - começar zaragata



Neste blog é permitido fumar





Be an Ocean Defender

Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

As odisseias de Abraracourcix



create your own visited countries map

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Abraracourcix e a sua ald...

O fim do petróleo - cenár...

Não às detenções secretas

Razões antropológicas par...

Altermundo reaberto

Vive la France

Bem vindos ao Turquemenis...

Break my arms...

Editors

O PCP e o Tibete: a minha...

O PCP e o Tibete: respost...

Mais um pouco de luz para...

Luz ao fundo do túnel par...

Mail por mim enviado ao P...

Eleitoralismo precoce

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

habitantes: