Sexta-feira, 22 de Setembro de 2006

Golpe de estado na Tailândia: quem é o homem na sombra?

Tenho seguido com atenção as notícias que têm chegado da Tailândia, onde um golpe liderado pelo general Sonthi Boonyaratglin, pelos vistos homem obcecado pela legalidade e constitucionalidade e avesso a golpadas,  derrubou o governo de Thaksin Shinawatra, sobre o qual pendiam graves acusações de corrupção (e o sentimento geral entre a população que tal correspondia à verdade).
Para já, o parlamento e o senado foram dissolvidos, a lei marcial foi decretada, foram proibidas reuniões com mais de 5 pessoas, e quaisquer actividades dos partidos políticos, bem como decretadas severas restrições à comunicação social. Ou seja, neste momento a Tailândia é tecnicamente uma ditadura.
O novo executivo, já investido pelo rei, prometeu ter pronta uma nova Constituição dentro de duas semanas, por forma a tentar no prazo de um ano convocar eleições. E aqui entra o que eu tenho tentado perceber: se, como explica o amigo Max, a Tailândia estava à beira de novas eleições - eu só sabia que Thaksin Shinawatra já tinha prometido afastar-se do poder, após intensa pressão popular - que escolheriam um novo governo em princípio impoluto, não faz grande sentido um golpe de Estado que apenas adia a normalidade democrática para o final do próximo ano.
Parece-me portanto haver interesses ocultos nesta história: ou o exército tailandês, tradicionalmente visto como garante último da democracia no país, sentiu que de alguma forma estava a perder poder e quis ganhá-lo pela força, ou terá sido o próprio rei (que rumores consistentes afirmam ter congeminado na sombra o golpe) a ansiar essa conquista de poder.
Em qualquer dos casos, a aparição de um general tido como "legalista" como líder do movimento golpista tem um de dois significados: ou essa capa "legalista" apenas oculta o seu verdadeiro carácter, ou está a ser - conscientemente ou provavelmente não - utilizado como "testa de ferro", mera marioneta de quem segura os cordéis (outros militares ou até o rei)...
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 14:42
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!
2 comentários:
De max a 23 de Setembro de 2006 às 14:21
Exactamente, amigo Rufino. A questão é mesmo essa. Por muito que perceba e esteja ciente das tensões políticas existentes em bangkok - aliás, o Devaneios já as vinha seguindo há uns meses - não percebo a oportunidade de um Golpe de Estado quando faltava tão pouco para o Povo - vontade última em Democracia - se pronunciar sobre o rumo do País.

Aguardemos pela nova constituição (seja qual for, não legitimada democraticamente). Seja como for, a mim cheira-me a esturro...
De Abraracourcix a 25 de Setembro de 2006 às 09:16
A mim também me cheira mal, max, por isso mesmo fiz este post...

comentar - começar zaragata



Neste blog é permitido fumar





Be an Ocean Defender

Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

As odisseias de Abraracourcix



create your own visited countries map

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Abraracourcix e a sua ald...

O fim do petróleo - cenár...

Não às detenções secretas

Razões antropológicas par...

Altermundo reaberto

Vive la France

Bem vindos ao Turquemenis...

Break my arms...

Editors

O PCP e o Tibete: a minha...

O PCP e o Tibete: respost...

Mais um pouco de luz para...

Luz ao fundo do túnel par...

Mail por mim enviado ao P...

Eleitoralismo precoce

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

habitantes: