Sexta-feira, 10 de Novembro de 2006

Impressões de viagem - sociedade à peruana

O Peru é, para todos os efeitos e quer os seus habitantes gostem ou não, um país do terceiro mundo. Admito que o termo possa ser algo ofensivo - evitei utilizá-lo, pois o espanhol é suficientemente parecido com o português para que pudesse ser entendido - mas a realidade é que é daqueles sítios que faz o termo fazer sentido. É um mundo totalmente à parte... e jurei a mim mesmo nunca mais dizer, como tanta gente em Portugal, que "isto mais parece o terceiro mundo". Por muito mau que seja ou esteja este rectângulo à beira-mal plantado, ainda assim há uma diferença incomensurável para o verdadeiro terceiro mundo.

(funcionário público limpa a auto-estrada - os únicos 20 km que existem no país - à entrada de Lima; não é muito visível, mas devido ao grau de poluição todos os que fazem o seu trabalho, e passei por pelo menos uns dez no curto trajecto, usam máscaras de protecção; aos que possam estar a pensar, pela foto, que a estrada até está limpa e o serviço de limpeza até funciona bem, eu digo que sim, funciona bem, e olhando para o estado imundo de tudo o que não é assim limpo intensivamente, é um serviço mesmo necessário...)

Serve esta foto para introduzir o tema poluição e sujidade. Quanto ao primeiro, não deviam ser só os funcionários da auto-estrada a ser obrigados a usar máscara - deviam ser todos os 9 milhões de habitantes de Lima, porque aquele nível de poluição é um caso de saúde pública.
Em relação à sujidade, é algo que foi alvo de debate com os meus amigos companheiros de viagem. A comparação foi feita com o Portugal de há uns 50 anos, em que também existia uma pobreza tremenda mas havia limpeza: toda a gente tinha o brio de limpar o pouco (às vezes nada) que tinha, por vezes até de forma obsessiva. Ali, como de resto em outros sítios onde já estive com nível de desenvolvimento semelhante (Marrocos, Egipto...), isso não sucede. Tenho dificuldades em conceber que sejam mesmo as pessoas que sejam sujas, e postulei a hipótese, que permaneceu por confirmar, que a sujidade esteja relacionada com a falta de acesso a água (muitas zonas são desérticas e quase todos os rios peruanos só têm água dois ou três meses por ano, durante a estação das chuvas), por um lado, e com uma pobreza que sendo ainda mais profunda que a do Portugal salazarento, não deixe quaisquer perspectivas de melhoria, retirando qualquer tipo de brio às pessoas. Eis uma tese sociológica que ficará por provar...

Misérias à parte, e como já foi possível ver no meu anterior post, consagrado à "política à peruana", trata-se de um país, digamos, colorido. Tudo aquilo que fazem é, para nós que vimos da sóbria Europa, pitoresco. Não só a política, de que já falei, não só a religião, de que falarei no próximo post, é algo que está enraizado nas próprias pessoas, ecos talvez do passado pré-colombiano...


(por falar em pré-colombiano: eis el perro, o cão, Pizarro, ele mesmo, numa pintura que está na catedral de Lima, por cima do seu túmulo e de um corpo com sinais de múltiplas fracturas - feitas em vida - e de um buraco de bala - causa de morte - atestando as atribulações da conquista, devido à qual o Peru se irmana a Portugal num certo ressentimento, para usar um eufemismo, em relação aos espanhóis)



(não parece, mas é um autocarro urbano, um dos muitos milhares que percorre as ruas de Lima em todas as direcções, com percurso mais ou menos fixo, um condutor que se concentra exclusivamente em conduzir - o que é, asseguro, absolutamente necessário para que exista um grau muito mínimo de segurança - e um cobrador que funciona como angariador de passageiros, saindo em cada paragem para gritar aos que estiverem na "paragem" (conceito muito abrangente, que tanto pode ser uma esquina como um sítio qualquer na auto-estrada onde o autocarro, sem mais nem menos, pára); todos os autocarros e a maior parte dos táxis gosta de colocar inscrições no vidro da frente ou na parte de trás do veículo; no caso deste, diz  "Todos me admiran", mas também podia ser "Señora de la (qualquer coisa), guíame con tu luz" ou "Marlene te quiero para siempre")



(à atenção da TMN/Optimus e da Vodafone: o conceito de cabine telefónica levado a um novo paradigma; é um homem-cabine móvel, uma pessoa que se veste com aquele fato e anda a correr no meio da rua - e eu a correr atrás dele para tirar a foto - a propor às pessoas telefonar a preços baratos (os meus amigos usaram e foi a chamada mais barata que fizeram em toda a viagem), para o que empresta aos clientes um telemóvel de onde elas ligam para onde quiserem; mais uma ideia colorida, tipicamente peruana, mas nem por isso menos brilhante)
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 09:51
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!


Neste blog é permitido fumar





Be an Ocean Defender

Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

As odisseias de Abraracourcix



create your own visited countries map

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Abraracourcix e a sua ald...

O fim do petróleo - cenár...

Não às detenções secretas

Razões antropológicas par...

Altermundo reaberto

Vive la France

Bem vindos ao Turquemenis...

Break my arms...

Editors

O PCP e o Tibete: a minha...

O PCP e o Tibete: respost...

Mais um pouco de luz para...

Luz ao fundo do túnel par...

Mail por mim enviado ao P...

Eleitoralismo precoce

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

habitantes: