Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

O triunfo da vacuidade

Está oficializado o que já era mais que previsível, a nomeação de Segolène Royal como candidata do Partido Socialista Francês como candidata às presidenciais de 2007. Proponho-vos um exercício difícil, que para mim se afigurou impossível: descobrir, nas palavras da antes candidata a candidata e que agora o é de facto, já não direi um programa político de esquerda ou em que se vislumbre aquilo em que o seu partido, o PSF (um dos únicos partidos socialistas europeus que, até ao triunfo de Ségo, ainda se mantinha, e orgulhosamente, como de verdadeira esquerda), acredita, mas pelo menos um programa qualquer, uma linha de actuação. O que ela diz:
   "Unidos, mobilizados, perguntem-se o que podem fazer pelo vosso país." [paráfrase da já mais que batida citação kennediana]
   "Vamos escalar juntos a montanha até à vitória."
   "Saboreio plenamente este momento de felicidade, mas não tiro deste resultado qualquer     glória pessoal. Peso antes a responsabilidade de não desapontar todos quantos      depositam em mim a sua esperança."
   "A França pode voltar a ser o que era. Quero personificar a mudança e quero construir a mudança. Para isso, a França deve dar a cada um os meios de se assumir, com as suas próprias exigências."
   "a ordem justa contra a desordem injusta"
  "colocar a educação e o ensino no centro de tudo" [aqui numa deriva demasiado guterrista...]
   "inventar novas liberdades"
   "não tenham medo das ideias novas"
   "Vamos buscar as ideias novas à vida do dia-a-dia de cada francês, às suas penas, às suas dificuldades, mas também aos seus talentos e aos seus formidáveis sucessos."
   "os franceses estão maduros para as reformas e a França tem todas as razões para acreditar em si mesma"
   "A França deve aproveitar todas as oportunidades para se levantar de novo. Quero dar-lhe esse orgulho, sem pretensões inúteis, mas quero ajudá-la a recuperar as suas forças e escrever com todos os seus uma nova página da sua história."
   "Permanecendo fiéis a nós mesmos, podemos resistir ao vento nefasto do liberalismo sem roque nem rei, e ao mesmo tempo aproveitar o leque de oportunidades da globalização. Imaginar a França é a tarefa que proponho aos franceses." [aqui é a deriva claramente blairista]

Desafio quem quer que seja a encontrar um átomo que seja de ideias neste "programa político". Segolène "faz a "defesa de uma "ordem justa" em matéria de segurança pública, sem receio de propor um enquadramento militar para os jovens delinquentes, a sua defesa de uma economia mais liberal, a sua adopção da democracia participativa", que segundo a análise feita no Público de Sábado, de onde retirei estas citações, "são moldadas para responder às aspirações da opinião pública de esquerda e centrista."
Quanto ao "centrista", não tenho dúvidas: estas afirmações completamente ocas tentam prender votos no centro político, onde é suposto decidirem-se as contendas eleitorais, retirando-os de quem se afigura como o provável adversário vindo da direita, o populista, ultra-direitista e a todos os títulos execrável Nicolas Sarkozy (Sarko para os franceses). Daí Ségo ir ao ponto de copiar soundbytes securitários, quase cruzando a linha vermelha, já cruzada por Sarko, de qualificar os jovens violentos dos subúrbios como "escumalha".
Já não acredito no "responder às aspirações da opinião pública de esquerda", porque essa já se afastou do PSF há muito e vai-se afastando cada vez mais. A tão propalada "fractura social francesa", como foi apelidada por Chirac a passagem à segunda volta das presidenciais anteriores de Le Pen, mais do que mérito do fenómeno em torno deste, é demérito do próprio PSF, que não percebeu que ao virar demasiado ao centro abriu espaço à sua esquerda que permitiu não só à consolidação do PC e dos Verdes, mas ao surgimento de dois candidatos ultra-esquerdistas que somaram em conjunto 15% dos votos...
Esta é a verdadeira "fractura social", o resvalar para os extremos políticos, que com o perfilar das duas candidaturas principais para as eleições do próximo ano se tornará com certeza muito maior. E se no estado actual já vimos motins, autocarros incendiados e outras cenas igualmente anárquicas, o aprofundar da deriva só poderá tornar as coisas muito piores... Se a França está gravemente doente e sem cura à vista (porque os médicos de serviço teimam em não ver o óbvio diagnóstico, ou em fingir que não o vêm para sua maior conveniência pessoal), está em vias de se tornar um caso terminal... e, pior, de contagiar a sua doença ao resto da Europa - em Portugal já se sentem os primeiros ecos...
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 14:45
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!


Neste blog é permitido fumar





Be an Ocean Defender

Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

As odisseias de Abraracourcix



create your own visited countries map

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Abraracourcix e a sua ald...

O fim do petróleo - cenár...

Não às detenções secretas

Razões antropológicas par...

Altermundo reaberto

Vive la France

Bem vindos ao Turquemenis...

Break my arms...

Editors

O PCP e o Tibete: a minha...

O PCP e o Tibete: respost...

Mais um pouco de luz para...

Luz ao fundo do túnel par...

Mail por mim enviado ao P...

Eleitoralismo precoce

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

habitantes: