Sexta-feira, 24 de Novembro de 2006

Os libaneses pedem: Deixem o Líbano respirar

Retirado do Público de ontem:

"O Torino é um pequeno bar em Beirute. O único onde Mazen Kerbaj ainda vai. Há uma semana, sentado na mesa do fundo, com o seu mais recente auto-retrato em cima da mesa, Mazen disse: "Hoje é a mesma coisa que na véspera de 1975. Parece que não aprendemos com os nossos erros. Todos os que são líderes agora participaram na guerra civil e ninguém quer admitir que errou, toda a gente tinha razão. Nada mudou e nada mudará."
O DJ estava a passar Bob Dylan. Uma rapariga que podia ter 14 anos mas tem 28 entrou e deu um beijo a Mazen, antes de acender um cigarro. Não lhe ocorreria dizer tal, mas é xiita. Tão xiita como Mazen é cristão maronita (no que depende deles, nada). Mazen nasceu em 1975 e nunca viveu fora do Líbano, o que quer dizer que de certa forma já viu tudo e reconhece o que viu: "Acho que estamos na véspera de uma nova guerra civil. Estou totalmente pessimista."
Três dias depois Mazen partiu em digressão para a Europa levando a sua trompete (e alguns dos desenhos que fez durante a última guerra, como aquele em que está na varanda de casa a improvisar entre as bombas israelitas - registo em mp3 na Net). [trata-se do mesmo Mazen que possui um blog onde coloca os seus desenhos, comentários e algumas impressões avulsas, que em Agosto aqui destaquei... aqui fica de novo o destaque porque os seus desenhos de alguma forma alusivos à situação do seu país se tornam de novo relevantes...]
Estaria em Bruxelas à hora a que Pierre Gemayel foi assassinado.
(...) É um nome cheio de ecos, Gemayel. Naturalmente, cada um o ouve do lugar em que está. Dizer que são cristãos maronitas é sobretudo dizer que pertencem a uma tribo. Como todos (sunitas, xiitas, drusos) entre 1975 e 1990 cortaram cabeças, abriram valas comuns, cuspiram por cima. E, ocasionalmente, morreram. Bashir Gemayel (tio do agora assassinado Pierre) era o líder da milícia falangista que massacrou centenas de palestinianos em Sabra e Shatila depois dele ter sido assassinado.
Serem (cada vez mais) uma minoria, nunca impediu os maronitas de se verem como os melhores. Ainda recentemente, quando o Hezbollah e os xiitas vinham com exigências políticas em nome da maioria demográfica, o jovem Pierre Gemayel resumia assim este espírito: "Eles ameaçam com a quantidade. Nós temos a qualidade."
Isto enfurece Mazen. Sobranceria, tribalismo, um país em que engravatados de hoje são ex-carniceiros e os principais órgãos de poder continuam a ser divididos por religiões (o Presidente para os cristãos, o primeiro-ministro para os sunitas, o presidente do parlamento para os xiitas...). "Não se pode viver numa democracia com sectarismo e confessionalismo. Aqui não há esquerda nem direita, todos os partidos se relacionam com religião."
Como muita gente da geração de Mazen - os filhos da guerra civil - Sandra Dagher partilha esta repulsa em identificar as pessoas pela religião. A sua família é cristã maronita de Bekfaya, a mesma terra dos Gemayel, mas ela não sabe qual é a religião de vários dos artistas que acolhe no Espace SD, uma espécie de centro cultural privado em Beirute. É preciso alguém perguntar-lhe para ela se pôr a pensar se aquele será druso ou xiita - e no Líbano isso pode querer dizer que primos de ambos se chacinaram em algum momento.
(...) De resto, Sandra está onde Mazen e muitos mais desta geração parecem estar, num lugar que não é do Governo e não é do Hezbollah. O lugar onde esta história acabaria, se a deixassem."
(Alexandra Lucas Coelho)

Sempre pensei que a tensão inter-confessional no Líbano é algo de artificial - como por exemplo na Bósnia - algo que vem de cima e faz parte integrante do discurso político, mas não da vida das pessoas. Os libaneses - pelo menos e a fazer fé na repórter, os "filhos da guerra civil" - não se preocupam com a confissão religiosa de cada um. No dia a dia, ser xiita, sunita, druso ou maronita é pouco mais que irrelevante.
Os políticos, oprtunistas aqui como em qualquer parte do mundo (mas aqui é mais grave porque jogam com a vida das pessoas, e não apenas com quem está no poder), utilizam um discurso sectário como forma de obtenção de benefícios, políticos e pessoais. O que leva a que quem tenha mais sucesso seja quem de forma mais eficaz consiga arregimentar a sua comunidade e, mais que isso, a situações como a vitória democraticamente legítima de um movimento como o Hamas - e que a haver novas eleições se arrisca a acontecer com o Hezbollah no Líbano.
E assim, em vez de se traçarem linhas divisórias baseadas nas diferentes ideias de cada partido, traçam-se fronteiras baseadas exclusivamente num só elemento, a religião, que é irrelevante para o quotidiano daqueles que é suposto darem o seu voto.
Reitero a ideia com que termina a reportagem do Público:

"
um lugar que não é do Governo e não é do Hezbollah. O lugar onde esta história acabaria, se a deixassem."
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 09:25
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!


Neste blog é permitido fumar





Be an Ocean Defender

Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

As odisseias de Abraracourcix



create your own visited countries map

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Abraracourcix e a sua ald...

O fim do petróleo - cenár...

Não às detenções secretas

Razões antropológicas par...

Altermundo reaberto

Vive la France

Bem vindos ao Turquemenis...

Break my arms...

Editors

O PCP e o Tibete: a minha...

O PCP e o Tibete: respost...

Mais um pouco de luz para...

Luz ao fundo do túnel par...

Mail por mim enviado ao P...

Eleitoralismo precoce

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

habitantes: