Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2008

Aeroporto em Alcochete: está escolhido!

Sócrates anunciou hoje, no final da reunião de Conselho de Ministros, que o novo aeroporto de Lisboa será em Alcochete. Fico aliviado: já aqui e aqui tinha deixado expressa a minha opinião de que a Ota era uma hipótese pouco melhor que absurda - sobretudo porque todo o processo que culminou nessa escolha foi tudo menos transparente...
Agora, sob pressão da opinião pública, da oposição, até de sectores do patronato, o processo foi mais claro: uma chuva de estudos que apontavam todos eles para as vantagens da hipótese Alcochete - a própria hipótese foi lançada pela opinião pública, lembram-se? - e finalmente o anúncio de que o Governo, atento ao desgaste da sua imagem, emenda a mão e escolhe Alcochete.
Fica assim provado definitvamente (sinais já havia anteriormente) de que por mais arrogância e absolutismo que demonstrem normalmente, Sócrates e o seu Governo são permeáveis a pressões públicas.
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 19:11
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

Aeroporto da OTA, assim não!

Em entrevista publicada também hoje no Público, Campos e Cunha, o meteórico ministro das Finanças que antecedeu, durante quatro breves meses, Teixeira dos Santos, para além de muitas coisas - essencialmente, e naturalmente, defende o seu legado na pasta das Finanças e a importância do mesmo como tendo lançado as bases para a recuperação das finanças públicas e para o que depois dele foi feito ou deveria ter sido (caso do defunto PIIP - Plano de Investimentos em Infra-estruturas Prioritárias), deixa, à margem, alguns comentários acerca da decisão de construir o novo aeroporto na Ota e que me deixam ainda mais convencido da asneira que foi essa decisão, sobretudo quando ainda ninguém me explicou convenientemente que outras alternativas havia e o motivo da sua exclusão - e na ausência dessas explicações, começo a concluir que elas simplesmente não existem...

"Comecemos pela Ota, já que Lisboa, tendo um problema no seu aeroporto, tem de escolher entre diferentes alternativas. A minha convicção é que as alternativas foram colocadas de fora depressa demais. Basta recordar que a decisão política foi tomada em Julho e os estudos técnicos só foram apresentados meses depois. Por isso, quando me dizem que o aeroporto vai ser feito, só me lembro do que uma vez me disse um oficial da Força Aérea. Para ele, se os civis quisessem uma base militar, a primeira que daria era a Ota, pois a sua pista era perigosa. Quando aterrava na Ota ia sempre ele aos comandos, pois o local tem problemas de ventos. Mas o maior problema é que a Ota não tem capacidade de expansão. Imagine o que era ter-se feito, e o que é que hoje diríamos, um aeroporto decidido no tempo de Sá Carneiro ou Mário Soares e agora, 20 anos depois, verificar-se que estava congestionado. Ora, 20 anos é o tempo previsto para a Ota ficar congestionada, pelo que leio na imprensa. E é um investimento muito grande. Pode não passar pelo Orçamento de Estado, mas que será sempre pago pelos portugueses e pelos utilizadores de aeroportos."
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 14:19
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!
Quinta-feira, 7 de Dezembro de 2006

Contra o elefante branco da Ota

E mais um do Público, este um artigo de opinião de Rui Moreira, presidente da Associação Comercial do Porto, com quem cada vez mais vou descobrindo partilhar algumas opiniões. É o caso do presente artigo, que citarei na íntegra e que reproduz mais ou menos fielmente a minha posição relativamente ao elefante branco... perdão, aeroporto da Ota (resumidamente, é uma asneira construir a Ota, melhor opção sendo a de alargar a Portela e adaptar o aeródromo do Montijo para acolher parte do tráfego desviado da Portela)
Já agora, alguém me explica porque se decidiu construir um aeroporto em terreno de leito de cheias - e não de um rio, mas sim na confluência de três (!!) rios. Parece-me no mínimo um bizarro critério...

"Ainda vamos a tempo"

"Já se sabe que as obras públicas estão sempre sujeitas ao efeito consecutivo de um multiplicador comum: primeiro, surgem os estudos de consultores competentíssimos, que indicam um orçamento inicial. Na elaboração dos cadernos de encargos, esse orçamento é multiplicado até se chegar à base de licitação. Adjudicada a obra, os "trabalhos adicionais" imprevistos e não orçamentados multiplicam novamente o valor pelo mesmo factor. Quando a factura chega ao conhecimento do público, a culpa não é de políticos nem técnicos, porque há muito que morreu solteira.
As obras faraónicas anunciadas por este Governo já entraram nessa espiral. No caso da Ota, sabe-se que custará muito mais do que as previsões e não vai ficar "de borla" para o Estado, que deixará de receber os importantes lucros que tem hoje com a Portela. Já se adivinha que a futura parceria pública/privada vai incluir o Aeroporto do Porto (não vá este tornar-se num temível concorrente) e será confundida e misturada com a privatização da ANA. Para cúmulo e como as inundações alagaram a zona de leito de cheia que será abrangida pelo aeroporto, cresce a dúvida se o estudo de impacte ambiental caucionará a gigantesca obra de terraplenagem. Entretanto, a ANA resolveu investir no plano de expansão da Portela, que será realizado até 2010 e custará 550 milhões de euros (antes do tal multiplicador comum...), que depois serão deitados fora em 2017 quando o aeroporto, que entretanto estará ligado ao metro, for demolido para ser substituído pela Ota...
Mas as novidades não ficam por aí. Lembram-se da nove ponte ferroviária entre Lisboa e o Barreiro que, segundo o Governo, devia servir para os TGV destinados a Madrid e ao Algarve e também para o do Porto e para as "navetes" do aeroporto da Ota, que entrariam em Lisboa pelo sul? Afinal, os últimos estudos mostram que a elevada duração destes dois trajectos exigirá a construção de um novo e caríssimo canal de entrada em Lisboa pelo lado norte...
Com tantas "surpresas", deviam-se repensar e articular os projectos ferroviários e aeroportuários. Desde logo, é preciso "casar" os estudos de procura (que foram elaborados em separado...) porque é certo que a rede de TGV vai arrefecer a procura do transporte aéreo em 20 por cento. Em segundo lugar, deve ser reavaliada a opção "Portela + 1", que passa por ampliar o aeroporto existente e desenvolver um outro, secundário para as low cost, por exemplo na base aérea do Montijo. Essa solução foi rejeitada para Lisboa (apesar de ter sido adoptada em muitas capitais) com o argumento de que com dois aeroportos não se conseguem economias de escala. Ora, não serão essas economias muito menores do que os exorbitantes custos associados à opção Ota?
Uma coisa parece evidente: a opção "Portela mais Montijo" justificaria que, em vez da ponte do Barreiro e do novo canal a norte, se concentrasse todo o tráfego ferroviário por uma travessia a montante, exactamente na zona do Montijo. Teríamos então um sistema integrado, com uma nova rede ferroviária (sem navetes...) a ligar todos os nossos aeroportos...
Com menor pompa e circunstância e maior realismo, talvez ainda se vá a tempo de evitar grandes asneiras..."
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 14:11
link do discurso | comentar - que alegre boa ideia!


Neste blog é permitido fumar





Be an Ocean Defender

Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

As odisseias de Abraracourcix



create your own visited countries map

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Aeroporto em Alcochete: e...

Aeroporto da OTA, assim n...

Contra o elefante branco ...

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004

habitantes: