Terça-feira, 26 de Setembro de 2006

União Europeia: uma fundamental pausa kit-kat

Vem no Público de hoje, e ao ler o título "Durão Barroso defende pausa no alargamento da UE"  tremi, receando mais uma idiotice do geneticamente cretino "cherne fugidio". Ao ler a notícia, no entanto, sou forçado a concordar.
Citando o artigo, Durão Barroso diz apenas aquilo que eu penso há muito tempo, defendendo que a UE "deverá suspender a entrada de novos membros até à resolução do actual impasse institucional. "Enquanto presidente da Comissão, considero imprudente admitir novos Estados, além da Bulgária e Roménia, antes de a questão institucional estar resolvida", afirmou Barroso, durante uma conferência de imprensa com o primeiro ministro francês, Dominique de Villepin . (...) Barroso deixou no entanto claro que há limites para a capacidade da UE de admitir novos membros com o actual modelo institucional, que, segundo a convicção generalizada entre os responsáveis europeus, rebentará pelas costuras com Vinte e Sete Estados a partir de Janeiro. "Não podemos acolher novos Estados membros sem uma reforma prévia das instituições", insistiu"
Continuo a achar que a última vaga de adesão à UE foi um erro crasso. Admitir cinco países Rep . Checa, Eslováquia, Hungria, Polónia, Eslovénia), como estava definido previamente, já era um sério desafio à capacidade de absorção de uma União sem instituições à altura de uma Europa a Vinte. Sempre foi minha convicção que absorver cinco países vindos do antigo espaço de influência comunista, com todos os problemas decorrentes de uma transição abrupta para uma economia radical de mercado, iria demorar longos anos, mais que em todos os alargamentos anteriores incluindo o "nosso", quando foi necessário integrar três países pobres - na altura - em pouco tempo, Portugal ,Espanha e Grécia), porque os problemas a resolver eram de índole estrutural. O alargamento a dez países em lugar de cinco apanhou-me totalmente de surpresa, e desde logo pensei  - para além de demorar ainda mais tempo a absorver - que era um erro de sérias consequências - que de resto ainda agora começamos a ver...
A reestruturação institucional da UE já há muito tempo que era, mais que uma necessidade, uma urgência. Com uma Europa a Vinte e Cinco ainda o é mais, por isso não posso deixar de concordar com o alerta de Durão Barroso. Até os chernes às vezes dizem coisas acertadas...
Claro que o problema de como será feita a reestruturação, se através da propagada Constituição Europeia, ou de uma diferente, é uma questão totalmente diferente, e que por si só merece um grande e estruturado post ... Quando foi redigida a dita Constituição, achei que não resolvia nada de fundamental. Fiquei de algum modo contente com a rejeição a que foi sujeita porque é uma janela de oportunidade para resolver alguns dos seus problemas - embora pense que já se perdeu demasiado tempo de simples imobilidade, e esteja convencido que não temos actualmente líderes à altura do desafio.
Voltando à questão fundamental: já é tempo de reestruturar, de uma vez por todas, a arquitectura institucional da UE!
(apelo lírico e destinado a cair em saco roto:) Uma nova e radicalmente diferente constituição, já!
:
Abraracourcix o chefe falou sobre: ,
um discurso de Abraracourcix às 10:17
link do discurso
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


Os melhores javalis


O chefe viu:
   "Nightwatchers", Peter Greenaway

  

 

   "The Happening", M. Night Shyamalan

  

 

   "Blade Runner" (final cut), Ridley Scott

  


O chefe está a ler:
   "Entre os Dois Palácios", Naguib Mahfouz

O chefe tem ouvido:
   Clap Your Hands Say Yeah, Some Loud Thunder

   Radiohead, In Rainbows
 

por toutatis! que o céu não nos caia em cima da cabeça...

Abraracourcix o chefe falou sobre

11 de setembro(18)

aborto(28)

admirável mundo novo(5)

aeroporto(3)

afeganistão(1)

alemanha(1)

altermundo(9)

ambiente(14)

amnistia(1)

austrália(1)

birmânia(1)

brasil(1)

camarate(1)

cambodja(1)

cartoons(31)

chile(4)

china(4)

cinema(15)

coreia do norte(4)

cuba(1)

cultura(29)

dakar(1)

democracia(10)

desporto(29)

economia(13)

educação(2)

egipto(1)

espanha(3)

frança(8)

futebol(4)

gaulesa aldeia(20)

h2homo(7)

holanda(4)

hungria(1)

igreja(6)

imigração(3)

incêndios(2)

índia(1)

indonésia(1)

internacional(151)

irão(7)

iraque(18)

irredutíveis gauleses(16)

japão(1)

kosovo(1)

laos(1)

líbano(16)

lisboa(1)

literatura(3)

madeira(2)

mauritânia(1)

media(8)

méxico(1)

música(7)

nacional(102)

nuclear(7)

odisseias(4)

palestina(4)

paquistão(1)

peru(3)

política(13)

polónia(2)

porto(1)

prémios(13)

reino unido(1)

religião(7)

rússia(6)

saúde(13)

síria(1)

sociedade(37)

sócrates(4)

somália(5)

srebrenica(5)

sudão(1)

tailândia(2)

tchetchénia(2)

tibete(5)

timor(2)

todas as estrelas do céu(26)

turquemenistão(1)

turquia(4)

ue(10)

uk(6)

ulster(2)

usa(21)

videos(6)

vietname(1)

zimbabwe(2)

todas as tags

procurar nos discursos

 

discursos recentes

Abraracourcix e a sua ald...

O fim do petróleo - cenár...

Não às detenções secretas

Razões antropológicas par...

Altermundo reaberto

Vive la France

Bem vindos ao Turquemenis...

Break my arms...

Editors

O PCP e o Tibete: a minha...

O PCP e o Tibete: respost...

Mais um pouco de luz para...

Luz ao fundo do túnel par...

Mail por mim enviado ao P...

Eleitoralismo precoce

discursos antigos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Janeiro 2005

Outubro 2004

Setembro 2004